quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Dois da Tarde, da 89FM: na luta contra o "vitrolão vespertino generalizado"


O horário das 14h às 17h é um dos mais áridos do FM paulistano, por estar entre a hora do almoço e o fim do dia e apresentar baixos índices de audiência. Talvez por isso desestimule a maioria das emissoras de rádio da cidade a investir em conteúdo mais bem produzido, limitando-se ao esquema do "vitrolões" nas emissoras musicais.

Uma rádio que escapa desse esquema é a 89 FM, que leva ao ar o "Dois da Tarde", com PH Dragani e Dani Taranha.

Além de muito rock, a revista diária traz curiosidades sobre o mundo da cultura pop e distribui dezenas de brindes. Mas o grande trunfo do programa é a simpatia e o carisma dos apresentadores, que interagem com os internautas pelas redes sociais em tempo real.

Dois da Tarde 89
Produção e apresentação: Dani Taranha e PH Dragani
De segunda a Sexta, das 14h às 17h
89 FM - A Rádio Rock - 89,1 MHz - São Paulo
http://www.radiorock.com.br

Com Marco Antonio Villa em "Os Pingos nos Is", Jovem Pan bates recordes de audiência na internet

O historiador e comentarista da Rádio Jovem Pan Marco Antonio Villa: recordes de audiência na internet (Foto: Reprodução / internet)
Ao contrário do que se poderia imaginar, a participação do historiador Marco Antonio Villa no vespertino noticioso "Os Pingos nos Is", está batendo recordes de audiência na internet. Na segunda feira, o trio formado por ele, que substitui a jornalista Joyce Hasselmann - que está em férias, o veterano jornalista Augusto Nunes e o escritor Felipe Moura Brasil foi visto, ouvido e acompanhado por mais de 10 mil internautas somente pelo Youtube e mais 52 mil que viram a edição daquele dia ao longo da terça feira.

No dia seguinte, cerca de onze mil pessoas acompanharam a atração da emissora "ao vivo" pela internet, inclusive no chamada "meia hora esticadinha", das 19h às 19h30, exclusivo para os ouvintes/telespectadores/internautas.



Trata-se de um bom resultado, se levarmos em consideração que nem todas as emissoras da rede Jovem Pan retransmitem o programa. Boa parte das FMs afiliadas, que podem ser ouvidas pela internet, diferentemente da sub-rede "Jovem Pan News" - que retransmitem quase toda a programação jornalística, preferem transmitir um programa musical produzido especialmente para elas no horário da tarde.

'Os Pingos nos Is"
De segunda a sexta
Das 18h às 19h (Jovem Pan FM)
Das 18h às 19h30 (nas redes sociais e aplicativos para dispositivos móveis)
Reprise de segunda à sexta
Das 3h às 4h30

Baixe o aplicativo da Jovem Pan na loja de seu dispositivo móvel

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Estação Rock Base, nº12: ouça Bad Religion, Rezillos, The Clash e outras feras do Punk Rock


Ouça um super especial com o melhor do punk rock dos anos 70, 80 e 90. Ouça The Clash, Rezillos, Bad Religion, Damned, Cock Sparrer, 999, English Dogs, Generation X, The Four Skins, The Zeros, Metal Urbain e muito mais!

Produção e apresentação: Denilson Nalin e Marco Ribeiro
Todo sábado, 19h, na Rádio JR3D.



BLOCO 1
999 - Homicide (4:08)
Alley Cats - Nothing Means Nothing Anymore (3:14)
Anti - Nowhere League - I Hate People (2:22)
Anti - Pasti - No Government (2:08)
Bad Religion - Into The Night (3:28)

BLOCO 2
Blitz - Never Surrender (1:32)
Clash - White Riot (2:01)
Cock Sparrer - Because You're Young (3:46)
Damned - Liar (2:44)
Dead Man's Shadow - Bomb Scare (2:14)

BLOCO 3
Dickies - You Drive Me Ape (1:54)
Drones - Just Want To Be Myself (2:46)
English Dogs - Ambassador Of Fear (3:01)
Erazerhead - Summertime Now (2:24)
Frankie And The Flames - On Yer Bike (2:32)

BLOCO 4
Generation X - King Rocker (2:16)
Gonads - Punk Rock Will Never Die (3:14)
Patrik Fitzgerald - Irrelavent Battles -  (1:53)
John Cooper Clarke- Innocents (2:32)
Lurkers - I'm On Heat (2:31)

BLOCO 5
Menace - G.L.C. (2:22)
Metal Urbain - Clé De Contact (2:50)
Outcasts - Ruby (2:38)
The Partisans - Killing Machine (1:38)
Rezillos - Somebody's Gonna Get Their Head

BLOCO 6
Special Duties - Violent Society (1:59)
Splodgenessabounds - Two Pints Of Lager (Live) (3:11)
The 4 Skins - Evil (1:38)
The 4 Skins - One Law For Them (2:45)
The Quick - Pretty Please (4:31)

BLOCO 7 
The Weirdos - We Got The Neutron Bomb (3:01)
The Zeros - Don't Push Me Around (2:27)
X - Los Angeles (2:15)
X - We're Desperate (2:03)

Ouça agora: Ricardo Boechat volta a comandar seu horário na Band News FM


Nesta quarta feira ele está de volta, após 20 dias de férias. Reconhecido como um dos jornalistas mais bem informados do país, Ricardo Boechat comanda a programação da BandNews FM das 7h30 às 9h20 de segunda a sexta-feira, ao lado de Eduardo Barão e Carla Bigatto, com muito bom humor e inteligência.  O argentino mais carioca do Brasil tem a companhia de Mônica Bérgamo e de José Simão.

Veja também pelas redes sociais e baixe o aplicativo da loja do seu aparelho móvel.

Ouça o Jornal Primeira Hora, da Rede Bandeirantes, às 7h

Os locutores Dedé Gomes e Dimas Aguiar apresentam o Jornal Primeira Hora, da Rede Bandeirantes de Rádio, ao lado de Rafael Colombo (em pé). (Foto: Reprodução / Internet)
Em 1° de maio de 1962, a Rádio Bandeirantes AM 840 de São Paulo estreou o jornal "Primeira Hora", um marco no jornalismo radiofônico. Hoje, o matutino é o mais antigo jornal transmitido via satélite para todo o Brasil. Acompanhe de segunda a sábado, das 7h ás 8h.

Ouça pelo site: www.radiobandeirantes.com.br


sábado, 13 de janeiro de 2018

Rádio Base 406 - ouça no primeiro programa de 2018: Dire Straits, Daft Punk, Lulu Santos e a estreia de Wejah


Nesta primeira edição de 2018, trazemos a banda paulista Wejah, de Sorocaba, que está há 30anos da estrada, fazendo a melhor fusão entre o rock progressivo e o jazz. Realmente imperdível. Ouça também o novo som do grupo californiano Winter, com exclusividade para a Rádio Base Urgente. Conheça também a nova banda gringa Pale Waves e relembre Dire Straits, Lulu Santos cantando Tim Maia, Capital Cities, Daft Punk, Stoogies e muito mais. Boa audição e até a próxima.



Playlist programa 406:
Lulu Santos - Descobridor dos Sete Mares
Patrick Hernandez - Born To Be Alive
Capital Cities - Safe and Sound
Papisa - Pressão
Lana Seixas - Volta Por Cima
Vanessa da Matta - Gente Feliz (part. Baiana System)
Pale Waves - New Year's Eve
Winter - Memória Colorida
Wejah - Begging of Life
Wejah - Bragdah
Daft Punk - One More Time
Modjo - Lady
Chris Delanno e Alex Moreira - Tanta Água
Dire Straits - Money For Nothing (part. Sting)
Stooges - I Wanna Be Your Dog

Ouça outras edições em:
http://www.mixcloud.com/rádio-base-hits/

http://www.facebook.com/radiobase
http://www.twitter.com/radiobase
radiobaseurgente@gmail.com


Arquivo Rádio Base: "Momento raro de aprender - Na freqüência: O Som"


Até pouco tempo atrás, rádio não tinha nem o que discutir. Não era assunto, a não ser que fosse uma enfadada exposição sobre a insuportável programação das FMs - coisa tão redundante e tediosa como as próprias. Entre escolher os listões indistinguíveis de uma estação para outra ou o brega policial/musical das AM, o melhor a fazer era desligar o rádio. E se perguntar: "Why transmission?".

Rádio é um canal imediato, fácil e acessível com música e informação, mas isto não quer dizer que tenha de ser imbecil. Menos absorvente que a televisão, mais barato que formar uma coleção de discos, tanto pode servir de fundo para suas mais banais atividades cotidianas como proporcionar um momento especial de atenção e envolvimento. Claro que isto depende da programação que a rádio oferece.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Nossa dica: conheça a banda de rock progressivo paulista Wejah


Grupo de São Paulo, Brasil, banda formada por três elementos tocando rock progressivo em um estilo brasileiro e misturando muitas influências de antigas bandas de rock progressivo e jazz fusion.

Foi de uma conversa de amigos no ano de 1982, que nasceu o Bandeira Rasgada em São Caetano do Sul, Eduardo Miranda(Guitarra)Nelson Sanchez (Voz), Jorge Sanchez (baixo) e Wladimir Augusto (bateria) trilhavam o caminho do hard rock. Mais tarde, com a introdução de teclados (Nelson) e a entrada de Henrique Valsésia (voz e sax), passaram a compor arranjos mais elaborados, mudando o nome da banda para Última Geração.
Passado algum tempo e alguns shows, novo nome Renascença. Com este nome o grupo passa a ser conhecido no circuito underground de São Paulo, entra em estúdio para gravar duas músicas e consegue apoio de dois importantes críticos musicais: Valdir Montanari e Leopoldo Rey.

Em 86 Nelson Sanchez deixa grupo e Alessandro Miranda assume os teclados. A banda faz algumas apresentações na capital, no Centro Cultural São Paulo e no espaço Mambembe, apresentações estas que serviram de plataforma para o primeiro LP, intitulado Renascença, de novembro de 88, com a participação especial de Amir Cantusio Júnior (Alpha III).

Já no 1º disco a banda passa a se chamar Wejah. Após o lançamento do disco o grupo se desfaz. O grupo retorna aos trabalhos em 1993 e começa seu trabalho que seria o embrião do CD Senda lançado instrumental pelo selo Progressive Rock Worldwide de São Paulo, lançado em 1996.
A banda faz alguns shows após o CD mas por divergências musicais se separa em 97.

O grupo continua em trio em 1998, com gravações de musicas experimentais que acabam não sendo lançadas. Em 2004, o grupo começa o projeto do CD Springtime lançado no início de 2007, desta vez com a participação de vários músicos que atuaram no grupo nos álbuns Renascença e Senda.
2015 – O grupo trabalha em composições novas para um novo CD. (colaborou José Antonio Martinez)

Para a cantora Winter, 2018 começa com a nostálgica faixa “Memória Colorida”


Para os californianos da banda Winter, o ano de 2018 já está no ar e faz tempo. Depois de realizarem turnê conjunta com a lisérgica banda capixaba My Magical Glowing Lens, passando por Brasil e Argentina com mais de 15 shows, o grupo liderado pela curitibana (radicada nos Estados Unidos) Samira Winter lança o single inédito “Memória Colorida”.

A faixa acompanha a sonoridade indie-pop e sonhadora da banda, aliada a camadas psicodélicas de uma nostalgia doce, quase pueril. “Sentir é tão lento”, versa Samira entre as cores do single - que abre os caminhos para 2018. O ano terá lançamento do disco solo de Samira, gravado juntamente com Glenn Brigman.

Intitulado “Estrela Mágica”, o álbum tem previsão de lançamento para o dia 1 de junho através do selo norte-americano Burguer Records. “Memória Colorida” foi composta por Samira Winter e gravada em Los Angeles, na casa do amigo e parceiro Ian Gibbs (Morgan Delt, Vinyl Williams) . A música foi mixada e masterizada por Nolan Eley, o mais antigo colaborador da Winter. A arte foi feita por Lionel Williams, artista visual e músico da banda Vinyl Williams.

Ouça agora na Kiss FM: Filhos da Pátria, com Clemente Nascimento e Marcelo Andreassa

Clemente Nascimento apresenta "Filhos da Pátria", na Kiss FM: relembrando história do rock nacional com bom humor e alto astral (Foto: Divulgação)
O horário do meio-dia tem se tornado cada vez mais importante para o rádio. É um período em que quem está trabalhando faz sua pausa para o almoço; quem estuda, está saindo ou chegando da escola; quem fica em casa se prepara para o intervalo da sua refeição. Trata-se de uma espécie de um segundo "horário nobre" para os mais diversos formatos de programação. Não é à toa que alguns dos programas consagrados do veículo estão nesse horário. A atração pioneira é o "Pânico na Jovem Pan", no ar há quase um quarto de século. 

Entretanto, quem curte o bom e velho rock nacional não tinha opção, até dois anos atrás. Para a sorte desses "órfãos radiofônicos", desde 2014 está no ar o programa "Filhos da Pátria", da Kiss FM.

Durante uma hora, músico Clemente Nascimento - guitarrista e vocalista das bandas Inocentes e Plebe Rude - com o "auxílio luxuoso" do locutor e também músico Marcelo Andreassa, traz de volta o melhor do rock nacional em todas as suas vertentes. 

A atração também traz alguns lançamentos da cena nacional que, apesar de nem sempre ser tão próspera, apresenta algumas boas novidades. O "Filhos da Pátria" vai ao ar em um clima de alto astral e bom humor, em que ambos apresentadores interagem com os ouvintes e têm a capacidade de rirem de si mesmos e de se divertirem com as boas tiradas da audiência.

O que se destaca neste semanário é a capacidade de Marcelo e Clemente conseguirem relembrar "de cabeça" e de explicar de forma bem simples e "didática" fatos, eventos, artistas e tudo mais o que aconteceu no rock brasileiro nos últimos 30 anos, coisa cada vez mais rara em programas do gênero.

Mesmo estando há dois anos no ar, inexplicavelmente o programa ainda não conta com o prestígio publicitário de grandes anunciantes. Porém, o programa lança mão do apoio de pequenos fabricantes de instrumentos musicais e congêneres em suas promoções, o que é sempre bem vindo. É preciso lembrar ao mercado publicitário que nem sempre a audiência tem de ser o principal parâmetro para se programar uma atração em uma rádio que tem um público tão específico e qualificado como a Kiss FM. Fica a dica.




Filhos da Pátria
Produção e apresentação: Clemente Nascimento, com a participação de Marcelo Andreassa
Quarta feira, 12h
Kiss FM
www.kissfm.com.br

domingo, 7 de janeiro de 2018

Dica Rádio Base: "Éramos Todos Jovens" - Tropical FM



Éramos todos jovens, com produção e apresentação de Cyro Aguiar é o programa que você ouve todos os domingos das 7h às 10h na Tropical FM de São Paulo

Ao longo de cinco horas, a atração desfila os sucessos do passado, em todos os gêneros musicais. Estão todos ali: Beatles, Animals, Amado Batista, Roberto Carlos, Roberto Ribeiro, Wilson Simonal de centenas de outras cantores e belas canções dos anos 60, 70 e 80, além de, claro, o grande CYro Aguiar. O melhor de tudo que o programa é ao vivo e ouvinte pode particiar pelo whatsapp - 119171211079

Infelizmente a atração ainda não está disponível no formato de podcast. Uma pena. Mas quem sabe, algum dia......

Éramos Todos Jovens
Apresentação: Cyro Aguiar
Produção: Rita Catarina
Participação: Tom Castro
Domingo: das 7h às 10h e com reprise das 21h às 00h
Tropical FM
http://www.radiotropicalfm.com/




quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Retrospectiva "Sons do Brasil", da USP FM, mostra o melhor da música brasileira em 2017


O programa "Sons Do Brasil" está aqui, neste novo ano, traz a edição  nº 145 - Especial de Férias 1 – em que continuaremos apresentando a nossa retrospectiva do que rolou durante 2016 aqui nos nossos estúdios com as versões ao vivo feitas exclusivamente para o nosso programa. 

Começando o ano em alto astral traremos para vocês Antonio Novaes e o Clarimbó, Rita Bastos, Crys Araújo, Marcio Lugó, Gabriel de Almeida Prado, Cícero Gonçalves, Silvia Sant'anna, Vanessa Moreno, Dois Africanos, Zé Eduardo, Trupe Chá De Boldo, Duas Casas, Sandália De Prata, Cris Oliveira, Madureira Armorial, Casa7 e Chico Salem.

Sons do Brasil, domingo dia 7 de janeiro, às duas da tarde, com reapresentação na quinta-feira às 23h55.

Rede USP de Rádio - http://www.radio.usp.br
São Paulo - 93,7 MHz
Ribeirão Preto - 107,9 MHz

Ouça os programas anteriores em - https://www.mixcloud.com/sonsdobrasil/

Sergio Sagitta - produtor e apresentador
Programa Sons do Brasil - Rádio USP FM
Rua do Matão, 1578 – Cidade Universitária
São Paulo - SP 
CEP 05508-090 
sagittaproducoes@terra.com.br

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Cobertura "meia-boca" da São Silvestre expõe o crescente abandono das transmissões esportivas no Rádio

Largada da corrida de São Silvestre, na Avenida Paulista, em São Paulo: emissoras abandonam a transmissão do evento (Foto: Gazeta Press)
A julgar pela corrida de São Silvestre realizada na manhã deste domingo , as emissoras de rádio estão desistindo a olhos vistos de transmitir eventos esportivos. Apenas a Rádio Bandeirantes acompanhou em tempo integral o evento. Ainda sim, foi uma cobertura muito aquém do que a estação costumava fazer pouco tempo atrás. Foi uma transmissão bem "meia-boca", mas pelo menos a emissora líder do Grupo Band Rádios cumpriu com a sua obrigação.

As emissoras do Sistema Globo de Rádio - CBN e Rádio Globo - mal tocaram no assunto, nem ao menos mandaram um repórter sequer para a Avenida Paulista. E pensar que eles já tiveram um grande jornalista chamado Jorge de Sousa que transmitia sozinho a São Silvestre, mesmo que em "off tube", de uma cabine com tevê, bem na entrada da redação da CBN.

A Rádio Jovem Pan com quem o ouvinte sempre podia contar com a transmissão entusiasta e vibrante de Wanderley Nogueira parece que desanimou de vez. A Transamérica e a Capital nem ao menos fizeram menção fora de seus programas esportivos.

"Pata de elefante" - É bem verdade que este evento perdeu muito de sua força quando deixou de ser realizado na noite do dia 31 para o dia 1º de janeiro. Há quem diga que a responsável pela desastrosa mudança fora a Rede Globo, que começou a transmitir a corrida ao vivo para todo país, em 1989. E exigiu da organizadora, a Fundação Cásper Líbero - dona da TV Gazeta, das rádios Gazeta AM e FM, do portal GazetaEsportiva.net e da Faculdade Cásper Líbero - que passasse a São Silvestre para mais cedo porque seria mais fácil a captação de imagens com a luz do dia.

Entretanto a festa da virada do ano com artistas contratados pela Globo foi mantida no horário noturno, sendo realizada simultaneamente em outras capitais brasileira para que seja tudo transmitido ao vivo, demonstrando a o poder e hegemonia da marca. Não é à toa que a Rede Globo há anos tem a fama de ser "pata de elefante" da mídia nacional. Mesmo nos tempos atuais em que sua força já não é tão grande como outrora, graças à internet e as novas plataformas digitais, parece que essa "estratégia" persiste. Ainda bem que ela não consegue se impor dessa forma no mercado radiofônico. Basta ver o que está acontecendo no Sistema Globo de Rádio nos últimos anos.

Automobilismo em baixa - Com a exceção da Bandeirantes, há um bom tempo que o rádio simplesmente parou de acompanhar as provas de automobilismo, sobretudo a Fórmula 1. O rádio está, infelizmente para os entusiastas do ludopédio, deixando de forma leniente a tarefa desse tipo de cobertura para a televisão, sobretudo a TV por assinatura. O que os diretores e donos de rádio não percebem é que, ao fazer isso, estão, na verdade, entregando um verdadeiro "filé mignon" para as minúsculas - porém sempre promissoras - rádios esportivas "online" que, se tivessem mais "poder de fogo" comercial, mais estrutura e um pouco mais de audiência, já estariam com certeza abocanhando parte deste mercado radiofônico, cujas grandes emissoras insistem em deixar escancarado para quem quiser lhe tomar das mãos.

Economizando mal para ter menos gastos - "Gigantismo" tem dessas coisas. As emissoras de rádio "off-line" tem uma estrutura tão grande, mas tão grande que, em vez de investir em material humano, preferem trabalhar com o mínimo de profissionais, achando que vão conseguir entregar um produto de alta qualidade com menos gente produzindo. Já estão até colocando produtores de conteúdo para também trabalhar ao mesmo tempo em funções operacionais, como se quisessem que seus pobres funcionários "assobiassem e chupassem cana" ao mesmo tempo, como cantava Benito di Paula no Rádio dos anos 1970.

É como se eles quisessem provar que qualquer um pode ser operador de áudio, editor, locutor, repórter, comentarista, acumulando funções ou sem ter o preparo adequado. E o campo de provas parece ser o jornalismo esportivo. Certamente devem achar, em sua maioria, que é uma atividade radiofônica de menor importância, logo, o que se fizer está bom. Vale até fazer a chamada transmissão no "tubão", com o narrador e o comentarista bem ao ladinho do "repórter de campo", que faz seu trabalho baseado nos "replays", "tira-teimas" e demais informações que lhe chegam pela tela da TV por assinatura ou mesmo pela internet. Gostaria de saber o que uma grande rádio consegue economizar com essa "precarização" da própria atividade.

Outras fontes de renda - É bem verdade que uma boa parte das emissoras não vive apenas da venda de espaço publicitário em sua programação. Algumas são usadas prioritariamente para divulgar as demais marcas de seu proprietário e de outros empreendimentos, sendo eles lícitos ou não. Não importa. O que vale é a satisfação do "ouvinte-cliente" e, depois, do "anunciante-parceiro". O resto é pura encheção de linguiça acadêmica.

Que 2018 traga juízo e sabedoria a esse povo que tem como responsabilidade dirigir os destinos da nossa radiodifusão. Não será difícil, se souber angariar o talento e a criatividade de seus colaboradores, a parceria de seus anunciantes e mantenedores e a cumplicidade de seus ouvintes.

sábado, 23 de dezembro de 2017

Novo clipe do cantor Siso contempla todas as dimensões do passado



É naquela palavra existente somente em português trazendo consigo diferentes pesos e significados,  que mergulha o cantor Siso em seu mais novo vídeo, “Saudade”. A produção integra o repertório de "Saturno, Casa 4", seu álbum mais recente, lançado em novembro deste ano.

Produzido e dirigido pelo próprio Siso, o clipe apresenta quatro personagens, que por meio de performances e coreografias variadas, interagem com a cidade, à medida que vão lembrando de suas  memórias e experiências.

Filmada no centro velho de São Paulo, a produção se baseia em duas obras chaves:  os espaços urbanos que são abordados na exposição "São Paulo Não é uma Cidade" e a obra do cineasta francês Jean-Luc Godard, marcado pelo acaso e pelo improviso.

“O clipe é uma narrativa abstrata sobre o afeto e a busca por leveza e espontaneidade em um ambiente caótico”, diz Siso sobre o vídeo. “Quis transpor de alguma forma a deriva do mar proposta na letra pro concreto da grande cidade e, com isso, trazer questões como a opressão das estruturas, a fragmentação, o isolamento, o apego e a pressão vertiginosa do tempo”, completa o artista. Com fotografia de Suelen Calonga, “Saudade” também sofre influências dos trabalhos de Robert Longo, Claudia Andujar e Pina Bausch.

Ficha técnica de “Saudade”
Roteiro e direção: Siso
Fotografia: Suelen Calonga
Edição e produção:  Siso e Suelen Calonga
Participam deste clipe: Siso, Olga OT, João Simões e Guilherme Livraes

Mais sobre o cantor Siso:
Facebook - https://pt-br.facebook.com/sisoetc/
Youtube - https://www.youtube.com/channel/UC_tcIQjluw5FMGN0L48M0BQ/about?sub_confirmation=1
Spotify - https://open.spotify.com/artist/1wWp9zRDL2466jSAXycCUQ
Google Play - https://play.google.com/store/music/artist/Siso?id=A4vt47vjxotdy5kvljlbsrts7nu

Jazzmin's: uma big band formada só por mulheres



Uma bigband formada somente por instrumentistas mulheres. Assim é a Jazzmin’s, um grupo que reúne artistas vindas do universo popular e erudito que combinam seus conhecimentos numa nova e refinada experiência timbrística.

Criada em 2016, a Jazzmin’s se diferencia das bigbands tradicionais por ter uma formação particular, resultando numa sonoridade singular. O som característico das madeiras como a flauta, o clarinete e o clarone, da trompa e até mesmo do vibrafone amplia, diferencia e proporciona ao grupo arranjos únicos.

O repertório é voltado à música popular sem fronteiras, porém com um olhar predominante para a brasileira, o grupo conta com arranjos feitos especialmente para sua formação.

Marta Ozzetti-flautas;; Paula Pires e Fabrícia Medeiros- clarinetes e clarone;; Paula Valente, Bia Pacheco, Mayara Almeida e Tais Cavalcanti – saxofones;; Kelly Vasconcelos- trompa;; Grazi Pizani e Estefane Santos- trompetes;; Cynthia Borgani e Sheila Batista- trombones;; Glaucia Vidal- vibrafone;; Lis de Carvalho- piano, Renata Montanari- guitarra, Gê Cortes- Baixo;; Lilian Carmona e Bruna Barone- bateria formam o grupo que chega para enriquecer o cenário da música instrumental brasileiro.