Rádio Jovem Pan estreia primeiro programa de prestação de serviços "multimídia" no Rádio

Estreia na próxima segunda-feira, dia 10 de julho, O programa "Ligado na Cidade", na Rádio Jovem Pan de São Paulo. A atração visa suprir uma certa deficiência que a emissora vinha apresentando nos últimos tempos em relação ao noticiário local, de prestação de serviços.



Dedicando tanto tempo ao noticiário político nacional, a Pan acabou negligenciando - involuntariamente, creio eu - um tema em que ela sempre foi "protagonista", rivalizando com a "arquiinimiga" Bandeirantes, que ainda mantém ativo sua editoria de prestação de serviços há pelo menos quatro décadas.

A dúvida é saber se o uso do vídeo vai agilizar ou engessar o formato radiofônico. Nos últimos três anos, a rádio vem investindo na transmissão e distribuição de conteúdos por meio de várias plataformas - rádio, you tube, facebook, twitter, etc. Anteriormente tentou criar uma emissora virtual de televisão pela internet, no qual não foi bem sucedida. Entretanto as lições ficaram e o projeto "multimídia" fora reformulado e é a rádio que melhor aproveita essas ferramentas disponíveis na internet. No caso da nova atração em questão, vai valer a experiência acumulada pelo seu apresentador e suas aparições ao vivo no Jornal da Manhã, cobrindo também em vídeo os principais fatos da cidade de São Paulo. É possível que o "Ligado na Cidade" acabe se baseando nesse experimento.

Há muita controvérsia e desconfiança sobre o uso de câmeras em um estúdio de rádio. Em recente entrevista, o apresentador Paulo Lopes, da Rádio Capital, confessou que não gosta de ter este equipamento transmitindo imagens ao vivo de um programa. Não deixa de ter razão. O rádio, mais do que qualquer outra invenção humana, trabalha com o que o ser humano tem de mais poderoso: a imaginação. A cenas dos fatos e das histórias narradas no ar são criadas na mente do ouvinte, de acordo com as suas experiências, vivências, formação, etc. Ao se colocar a imagem do que acontece em um ambiente não é preparado para tal fim, mata-se muito dessa "televisão com imaginação" - na definição de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni.



Entretanto, é justo que se "proíba" o uso de toda as facilidades tecnológicas existentes para se comunicar, em nome de um certo "puritanismo" na comunicação humana? Me parece que não. O mundo está integrado à internet de modo irreversível cada vez mais, isso é mais do que óbvio. Não usar ao menos parte dessa tecnolgia para se comunicar trata-se de um retrocesso sem ter porquê.

Embora o sociólogo canadense Marshall McLuhan tenha cunhado a emblemática frase "O Meio é a Mensagem", com a proposta de analisar e explicar os fenômenos dos meios de comunicação e sua relação com a sociedade, não podemos perder de vista que, no fim, o importante é o conteúdo, independentemente do veículo ou plataforma usada para tal fim.

No Rádio, que é um veículo de prestação de serviços por excelência, o objetivo que se espera de um programa como o "Ligado na Cidade" é que ele....preste serviço (ah, vá!). Supõe-se que a equipe comandada por Fernando Martins tentará ajudar o cidadão/ouvinte a resolver seus problemas mais "frugais": falta d'água, problemas de asfaltamento, ineficiência no transporte público, no atendimento nos postos de saúde, no comércio varejista, etc. O apresentador promete cumprir tal tarefa cobrando soluções principalmente das autoridades responsáveis. É claro que quanto mais pessoas são atingidas por determinado problema, mais importante ele se torna. E o bom jornalista - como ensinam as várias edições do manual de jornalismo da própria Jovem Pan - sabe que dessas reivindicações também saem grandes reportagens que repercutirão por muito tempo e poderão até mudar os rumos da história da cidade ou até mesmo do país.



Comentários