sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Piratas atacam Cultura FM em minha casa

Eis que nos últimos 3 dias tento ouvir em vão o boletim do Observatório da Imprensa na Cultura FM. Não consegui por motivos alheios à minha vontade e a da rádio. Tudo porque duas emissoras "evangélica$", "comunitártia$", aqui do meu bairro estavam transmitindo em cima da frequência da Rádio Cultura FM. Como o bairro aqui é de gente de uma classe baixa, esses bandidos devem ter julgados que ninguém ouviria a emissora da Fundação Padre Anchieta só porque ela toca música erudita, jazz, música de qualidade. Ledo engano, como já ensinara Lu´si Antonio Mello em seu livro " A Onda Maldita - quem criou e quem assassinou a Fluminense FM." Teve que me contentar em ouvir os boletins pelos site do programa. Menos mal. Mas não acho isso justo.

Eu vou reclamar mais uma vez para Anatel sobre essas duas emissoras "Comunitárias". "Comunitárias", não, ilegal mesmo. Se não tem concessão, está fora da lei e ponto final. Não interessa se é evangélica, com fins de aliciamento de fiéi$, se transmite música pop de qualidade, com o melhor das intenções, ou que diabo for. É pirata e acabou. Quer fazer rádio e não tem uma concessão, monta uma webrádio e NÃO ME ENCHE O SACO! Quero ouvir minha rádio sem interferência e ponto.

Acho estranho até hoje a timidez das estações regularizadas em combater a pirataria tão timidamente essa prática hedionda. Parece até que o fazem constrangidas. Posso ouvir a maioria delas das rádios legais pela internet, mas quero meus direitos de ouvinte garantidos. O brasileiro tem que começar a criar vergonha na cara e exigir do poder público o que é justo. Tem que deixar o "jeitinho brasileiro" de lado.


Enquanto a gente vai deixando passar batido, os párias desta República vão dominando tudo e arrancando a nossa dignidade. Já conseguiram acabar com muitos valores culturais, com o apoio de nossa passividade. Quando dominarem os meios de comunicação de vez, com a nossa beneplácida conivência, será tarde para reagir. A gente tem que começar a cobrar dos poderes da república que zelem pelos nossos direitos ou do contrário o Estado estará pronto pra ser conivente com a escória do país.

6 comentários:

Rodney Brocanelli disse...

As rádios do Grupo Bandeirantes continuam com sua campanha contra as emissoras piratas.

Edilson Trekking disse...

E o pior que, além de tudo isso que você disse, as regularizadas á maioria só tocam breganejo, axé, sambrega e outras porcarias do brega-popularesco.
Falei!

Marco Ribeiro disse...

Olha, Edilson, você está sendo injusto. Onde ficam a Cultura FM que tento ouvir a duras penas? Onde ficam a Roquete Pinto, MPB FM, UFMG FM, Nacional FM, Rádio MEC, Cultura AM, Cultura FM de Brasília, USP FM (deixa eu fazer o meu comercializinho aqui, kkk), e tantas outras emissoras comerciais e educativas espalhadas pelo país afora?
Tenho uma péssima notícia para ti: as emissoras comerciais tocam esses "estilos musicais" simplesmente porque a "grande massa" a-do-ra. Viaje pelo Nordeste, por exemplo, e ouça a maioria das emissoras de lá. É forró e axé comendo solto o dia todo. De qualidade um tanto duvidosa, concordo contigo, mas é o que se ouve ali.
A boa notícia é que não é só isso: algumas pequenas e heroicas emissoras se dedicam bravamente a mostrar a cultura regional e o que há de melhor em termos de música pop em seu estado. Ainda há poucas e boas opções no dial dos vários estados brasileiros.
Quando digo que as rádios piratas são uma praga é porque são mesmo. Aqui em São Paulo montar uma rádio pirata é ridículo e ilegal. O que doi também é que eles nem ao menos tem criatividade: repetem o que já se toca nas emissoras ditas populares e "religiosas" e transmitem em cima das emissoras educativas. Ou seja, prova triplamente que não entendem de rádio e ainda consegue virar marginal, no mau sentido. Se fossem rádios criativas, como a Rádio Muda, Rádio XI e outras tantas por aí, continuaria reclamando. Essas emissoras realmente alternativas têm condições de se organizar para concorrer a uma concessão, mesmo que seja de uma rádio comunitária de baixa potência. Vez ou outra esses "coletivos" batem no peito e dizem que jamais farão isso porque são contra o sistema de concessões porque é uma imposição do estado, que o governo de plantão jamais lhe dará autorização e eles são contra e não sei o quê mais..... uma pena porque também gostaria de ouvi-las em meu rádio, mas dentro da legalidade. Mas,enquanto eles insistem na ilegalidade e correm da polícia "eletrônica", pessoas inescrupulosas estão no ar impunemente e até disputam uma permissão de funcionamento. Assim é o Brasil, meu caro.

Kiko Carvalho disse...

As emissoras que atrapalham sua vida não são Rádios Comunitárias, para o nosso movimento são tratadas como picaretárias, os evangélicos, pequenos comerciantes e politiqueiros locais atrapalham nossa luta pela democratização da informação. Postei sua opinião em www.abracocentrooeste.ning.com ABRAÇO FORTE

Marco Ribeiro disse...

Concordo, assino embaixo e peço desculpas se os ofendi. Quero deixar claro esta separação de joio do trigo. Mas isso não faz das emissoras que lutam pela democratização dos meios de comunicação, mais "regulamentadas" do que as demais. Está fora da lei, é ilegal. Não tem jeito. Insisto que vocês do movimento de rádios comunitárias, Kiko, tem de entrar nas concorrências de novas concessões, sim, nem que seja pra dizer depois: " a gente concorre, mas o governo sacaneia". Se vocês não entrarem para disputa dessas licitações, continuarão sendo solenemente ignorados pelo Estado e perderão para os picaretas do ar a oportunidade de implantar emissoras comunitárias. Muito obrigado pela atenção e continue lendo nosso blog.

Marcos Lauro disse...

Não existe rádio pirata e comunitária ao mesmo tempo. Uma coisa anula a outra. Nâo tem outorga, é pirata. Independente de boas intenções ou não.

De boas intenções o dial tá cheio.