terça-feira, 6 de junho de 2017

Nova Rádio Globo: "pode ser ou está difícil?"


São seis horas da manhã. Entra no ar pela internet duas versões do que será a futura “nova Rádio Globo”. Segundo o que foi divulgado pela imprensa especializada, trata-se de um “projeto inovador”. Na coluna de Ricardo Feltrin, no Uol, “a ideia corporativa é que ela fique muito mais parecida com a TV. Em outras palavras, que se torne uma espécie de ‘TV Globo do rádio’”.

Seja lá o que isso signifique, resta apenas uma dúvida: alguém na cúpula no Sistema Globo de Rádio se lembrou - como diria o saudoso Mané Garrincha – “de combinar” com os russos? Em uma mensagem de vídeo postada no facebook, o ator global Otaviano Costa – novo contratado da emissora e que ocupará o outrora horário matinal de maior audiência - convida os ouvintes para conhecer a “nova rádio”. Os comentários dos internautas em sua esmagadora maioria são de desapontamento, de frustração e de promessas solenes de que abandonarão a Globo para passar a ouvir a arquirrival carioca Super Rádio Tupi.

Mesmo estando em dificílima situação financeira, a rádio do antigo império dos “Diários Associados” está reagindo e defendendo sua liderança nas pesquisas de audiência, recrutando justamente o veterano Antonio Carlos, grande nome do Sistema Globo de Rádio que fora “descartado” de lá para dar lugar justamente Otaviano Costa. Muitos ouvintes da “antiga” Rádio Globo consideram que foi a primeira grande bobagem que o “novo” projeto radiofônico cometeu. Antonio Carlos é um dos mais populares comunicadores do Brasil e dono de uma audiência cativa sem igual na cidade maravilhosa. Seu talento e carisma foram entregues de bandeja à concorrência pela emissora “global”.

Outra besteira fora cometida pelos “gestores” da nova rádio: o Padre Marcelo Rossi, que é o radialista com o maior número de ouvintes em todo o Brasil – cerca de 700 mil por minuto de segunda a sábado – foi tirado do seu horário habitual das 9h e colocado no começo da madrugada, para desespero geral da maioria de seus fãs e admiradores. O sacerdote católico terá de dividir agora esses 60 minutos perdidos na grade com outro padre e um pastor evangélico, bem menos conhecidos do que ele.

O outro “ataque de ausência de bom senso” teve como vítima o radialista Pedro Trucão, que se especializou em produzir e apresentar programas voltados para o público que trabalha no transporte de carga pelo país afora. Trucão e seu público fidelíssimo do finado “Globo Estrada”, compostos na sua maioria por caminhoneiros e profissionais do setor também foi entregue para outra adversária de peso: a Rádio Capital de São Paulo.

No lugar desses três astros e de outros profissionais de rádio igualmente demitidos entrarão jornalistas da TV e artistas da “Vênus Platinada”, que fazem parte, digamos, do “segundo escalão”.

Mas o projeto foi muito bem arquitetado... para dar errado. A começar porque pretende entregar o público típico da “antiga” e já saudosa Rádio Globo para os “inimigos”. E depois por que não definiu claramente quem é o novo público alvo. Em tese, segundo os autores da iniciativa, seriam as pessoas que vivem conectadas nas redes sociais, uma vez que os apresentadores foram escolhidos entre aqueles que possuem mais seguidores na internet.

Resta saber se estes internautas estarão dispostos a ouvi-los no rádio também. Afinal, a experiência de ler uma postagem no twitter, ou ver uma imagem no instagram ou um vídeo no Youtube é completamente diferente de auscultar uma FM ou podcast em um dispositivo móvel. A nova direção da rádio deduz que o público a ser conquistado seja de uma classe social que tenha uma condição financeira melhor ou ainda que pertença a outra faixa etária mais jovem do que da “audiência anterior”. Creio que o público da rádio que se foi, assim como a da que pretende entrar no ar semana que vem, seja basicamente o mesmo. Afinal, qualquer pessoa adulta hoje em dia tem um smartphone, não é mesmo?

O que dá para notar pelo menos por ora é que são os mesmos poucos anunciantes que ainda estão lá, mesmo nesta “fase nova”. E é preciso esclarecer logo em que mercado eles pretendem atuar: se no de música pop, adulto contemporâneo ou vai para algo mais variado em abrangente.

Até o momento a programação “provisória” que rola na web é um verdadeiro picolé de chuchu resfriado e sem açúcar: “talk shows” mornos e sem graça com diálogos alimentados por notícias absolutamente frias, intercalados com sessões de “vitrolão” que não conseguem trazer uma única novidade o curiosidade musical, tão importante dentro de uma atração que pretende trazer o melhor da música e do mundo pop.

Pode ser que os produtores estejam escondendo o jogo, não é mesmo? Afinal, ainda estamos em uma fase “experimental”. Do contrário, será quase impossível convencer os ouvintes da Mix, Transamérica, Dumont, Metropolitana, Disney, Alpha, Antena 1, Bandeirantes, Band News, Jovem Pan e até mesmo CBN a irem para a nova frequência. Até parece que o comando do Sistema Globo de Rádio está fazendo uma grade de programação só para eles ouvirem e mais ninguém, nem mesmo “os russos”. Se continuar deste jeito, é melhor a audiência permanecer onde está.
Para não dizer que ainda não está tudo perdido, pelo menos a parte operacional – esta feita por pessoas do ramo de rádio – até agora não deu nenhum “xabu” ou fez alguma “estrepolia”. Também se fizesse já seria demais.

Eu e muitas pessoas torcemos para que este projeto dê certo, mas está muito difícil manter a torcida em alta. Nem mesmo o sistema de transmissão nos 94,1 MHz está pronto para receber o novo sinal. Tenso. Aguardemos até o dia 12. Enquanto há esperança, há vida.

Twitter: @marcosradiobase

2 comentários:

Anônimo disse...

O erro da Globo foi lancar a programacao em internet apenas...o segundo foi nao preparar a frequencia de 94,1 para a chegada ... Bem, fora isso, parece que audiencia nem sempre da lucro, tanto que abrem mao da AM que vai mais longe e dos comunicadores consagrados pelo novo e barato. A FM com certeza tem mais retorno e publico de consumo...esperar e ver e se nao der certo mudam de novo. Dificil vai ser voltar ao antigo

Anônimo disse...

O maior absurdo que já vi na minha vida. Retirar Roberto Canázio que tinha a maior audiência do século, e público fiel pra botar música???? a quem eles esperam atingir? público jovem não vai ser e o público mais antigo nao curte esse tipo de programação. Decepcionada até a eternidade. Tomara que se ferrem. Falta de respeito total com seu público