Gaúchos vencem 4º Rally Internacional 1000 Milhas Históricas Brasileiras

Rogério Franz e Mário Nardi conquistaram a terceira vitória em quatro participações (Claudio Larangeira/Mastermidia)

Os gaúchos Rogério Franz e Mário Nardi venceram pela terceira vez o Rallye Internacional 1000 Milhas Históricas Brasileiras, realizado na última semana (24 a 28 de junho).
Na 4ª edição do único rallye de carros antigos com a chancela da FIA - Federação Internacional do Automóvel eles conduziram um Mercedes-Benz 280S 1969 e perderem apenas 188 pontos.

"Nosso rallye começou em Porto Alegre, pois viemos rodando para participar da prova. Este ano foi mais tranquilo, porque começamos liderando. Para isto, o Mário passou noites em claro calculando e o resultado está aí, três vitórias em quatro participações", comentou o engenheiro mecânico e piloto Rogério Franz. "Voltamos felizes para o Sul. Pretendemos voltar em 2016 com outro carro, pois gostamos de variar", assegura o navegador Mário Nardi. Na primeira edição do Rallye Internacional 1000 Milhas Históricas Brasileiras, em 2011, a dupla gaúcha venceu com Triumph TR4 1962. A outra vitória foi em 2014, daquela vez conduzindo um Mercedes-Benz 350 SLC 1973.

Depois de percorrerem 1.788 km em cinco dias de provas, passando por estradas históricas no interior de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, a maioria dos carros chegou na tarde de domingo (28 de junho) para receber a bandeirada de chegada no Shopping Iguatemi, na zona sul da capital paulista. "Foi um rallye nota 1000. Não deu nada errado, pouca gente quebrou, mas teve assistência. Agora vamos começar a trabalhar para o ano que vem", avisa Eduardo Lambiasi, Diretor de Provas do MG Club, realizador da competição.

Os veículos inscritos foram divididos em três categorias, conforme o ano de fabricação. Na categoria Pós Guerra a vitória ficou com a dupla de pai e filho Ricardo e Felipe Marujo, com Jaguar XK 150-S 1959, que também ficaram em sexto na classificação final, mesmo estreando em rallyes.

"É muito gratificante você participar pela primeira vez de um rallye desses e vencer. Eu participei pelo lazer, mas o meu filho é muito competitivo. Este resultado é um estímulo para voltar no ano que vem e também participar de outras provas", comemorou o médico e piloto Ricardo Marujo.

Na categoria 1961 a 1970 os vitoriosos foram Franz/Nardi, mas na reservada para os carros de 1971 a 1980 a glória ficou para Antonio Chambel Filho e Ney Fonseca, com Mercedes -Benz 280S 1971. "Foi uma surpresa para nós, não esperávamos ganhar, apesar de termos trabalhado forte para isto. No meio da competição vimos que tínhamos chance e fomos esmerando", contou Chambel Filho, acostumado a participar de corridas de carros. "A confraternização e os momentos de descontração foram todos maravilhosos. E o Marcedes-Benz se comportou como um tanque Panzer, é um carro confiável e maravilhoso", elogiou o piloto. 

A melhor dupla mista foi Leandro Pimenta e Nefertiris Curi, com Fusca 1.300 1973, que ficaram em oitavo na classificação Geral e terceiro na categoria 1971 a 1980. A melhor dupla estrangeira ficou na 16ª posição, formada pelos italianos Gastone Gonzato e Silvana Bianchini, que estrearam com Porsche 911 SC 1980. Rose Salmon, a única mulher que estava pilotando levou o seu Austin-Healey BT7 1960 ao quarto lugar na categoria Pós Guerra e 29º na Geral. A dupla Maurício Marx/Carolina Vassilak, que começou competindo com Romi-Isetta 250 1958 levou o prêmio ‘Espírito do Rallye’, pela simpatia e esforço de continuar acompanhando a prova mesmo após a quebra do veículo.

Os cinco primeiros na classificação Geral foram:
1)Rogério Franz/Mário Nardi, Mercedes-Benz 280S 1969, 188 pontos perdidos;
2)Fernando Stickel/Arthur Stickel, Mercedes-Benz 280 SL Pagoda 1970, 324;
3)Carlos (Goi) Cacciatore/Wagner Saccomani, Mini Cooper S 1965, 481;
4)Christian Pons Casal de Rey/Mário Leitão, Corvette Stingray 1963, 491;
5)Antonio Chambel Filho/Ney Fonseca, Mercedes-Benz 280S 1971, 698.

Os cinco primeiros na categoria Pós Guerra foram:
1)Ricardo Marujo/Felipe Marujo, Jaguar XK 150-S 1959, 909 pontos perdidos;
2)Reinaldo Fantozzi/Thiago Almeida Prado, Thunderbird 1957, 1.672;
3)Eduardo Azevedo/Cecília Azevedo, MGB Roadster V8 1969, 5.243;
4)Rose Samon/Herve Salmon, Austin-Healey BT7 1960, 64.725;
5)Mário Andrade/Eileen Andrade, Jaguar XK 120 1960, 89.801.

Os cinco primeiros na categoria 1961 a 1970 foram:
1)Rogério Franz/Mário Nardi, Mercedes-Benz 280S 1969, 188 pontos perdidos;
2)Fernando Stickel/Arthur Stickel, Mercedes-Benz 280 SL Pagoda 1970, 324;
3)Carlos (Goi) Cacciatore/Wagner Saccomani, Mini Cooper S 1965, 481;
4)Christian Pons Casal de Rey/Mário Leitão, Corvette Stingray 1963, 491;
5)Marcelo Mantelli/Simone Bumbel, Volvo Amazon 122S 1967, 1.494.

Os cinco primeiros na categoria 1971 a 1980 foram:
1)Antonio Chambel Filho/Ney Fonseca, Mercedes -Benz 280S 1971, 698 pontos perdidos;
2)Paulo Martinelli/Paulo Martinelli Filho, BMW 2002 Tii 1973, 967;
3)Leandro Pimenta/Nefertiris Curi, VW Sedan 1.300 1973, 1.302;
4)Júlio D. Areia Filho/Letícia B. de Mello, Mercedes-Benz 280 CE 1980, 1.330;
5)Cristiano Cittadino/Urbano Muffo, BMW 33 CS 1972, 1.444.

O Rallye Internacional 1000 Milhas Históricas Brasileiras é uma realização do MG Club do Brasil, com patrocínio de Cyrela By Pininfarina e Valisere, apoio logístico de Mercedes-Benz, Toyota e CDL Shopping Iguatemi de São Paulo e colaboração de HT Pro Nutrition, BraClean e Taj Ouro 18k.

Comentários