domingo, 27 de dezembro de 2009

Enterrado corpo do radialista Muíbo César Cury, em SP


do site da BandNewsTV

Foi enterrado neste domingo, no cemitério da Lapa, em São Paulo, o corpo do radialista Muíbo César Cury. Ele era o funcionário mais antigo do Grupo Bandeirantes de Comunicação.

Parentes e amigos deram adeus ao locutor, ator, compositor e cantor. Muíbo César Cury morreu no sábado, aos 80 anos, vítima de problemas cardíacos. Paulista da cidade de Duartina, ele era uma das vozes mais conhecidas da rádio. O locutor trabalhava na Rádio Bandeirantes desde 1952.


*

Leia o depoimento do radialista Flávio Guimarães

Que maior gratificação do que ser reconhecido através da virtude? Li a frase em algum canto e ela me instigou pensamentos. O egocentrismo me levou, por um tempo, à tentativa de identificar minhas "várias virtudes". Pouco depois, comecei a ficar preocupado, pois as "várias virtudes" não eram tão variadas assim. Para falar a verdade, estava difícil encontrar umazinha só, através da qual eu pudesse ser reconhecido. Meio decepcionado comigo mesmo, tentei me justificar. "Bom, é possível que eu não tenha uma virtude aparente, mas, com certeza, tenho uma qualidade tão instrinsicamente ligada a minha personalidade que nem sou capaz de indentificá-la." E a falsa modéstia, veio em meu socorro para acrescentar, "Sim, deve ser isso". O assunto acabou esquecido, num canto da memória. Eu e meu consciente não falamos mais nisso.

Como você deve ter lido no blog, no sábado, 26 de dezembro, pela manhã, morreu Muíbo César Cury, um dos mais antigos radialistas do país, prestes à completar 65 anos de profissão e que ainda estava na ativa, pela Rádio Bandeirantes, onde trabalhou durante 57 anos. À noite, fui ao velório dele. Encontrei alguns amigos e conhecidos comuns, mas senti a falta de muita gente. Neste domingo, dia 27 de dezembro,
voltei ao cemitério da Lapa, em São Paulo, capital, para o adeus definitivo ao companheiro. Então, meus olhos ficaram satisfeitos e minha alma encheu-se de felicidade, apesar do sentimento de perda com a morte do amigo. Estavam todos lá. E como se não bastassem, havia dezenas de ouvintes e admiradores para a despedida. Cada um dos presentes tinha uma história para contar, em que Muíbo era personagem central. Todos destacavam especialmente o carinho, a generosidade, a atenção e a delicadeza com que Muíbo Cury tratava colegas, amigos e fãs. Os momentos de maior emoção aconteceram em duas oportunidades, antes de o caixão ser colocado na sepultura, quando as vozes se elevaram e o clássico sertanejo João-de-Barro, de autoria de Muíbo César Cury e Teddy Vieira, ecoou por todo o campo santo.

Misturados à melodia era possível ouvir alguns soluços de dor. Muitas pessoas anônimas choravam o pranto doído de quem se despede para sempre. Foi então que me voltou à mente a questão levantada no início desta divagação. Muíbo César Cury foi um desses contemplados com a dádiva das virtudes. E soube cultivá-las até o último instante de vida. Como se não bastasse, na morte, deixou uma lição exemplar: as virtudes podem não estar no que se faz ou com o que se faz, mas como se faz qualquer coisa que nos motiva moral, pessoal ou profissionalmente. Resta-me, agora, descobrir se fiz as escolhas certas e torcer para que elas possam se transformar, ainda, em alguma virtude. Tomara, Muíbo, tomara.

Adeus.

2 comentários:

Stella disse...

O QUE FALAR DESSE HOMEM MARAVILHOSO EXEMPLO DE DEDICAÇAO E OTIMISMO,PROFISSIONALISMO,PAI MARIDO,VÔ MARAVILHOSO,AMIGO PARA TODAS AS HORAS.MEU PAIZINHO POSTIÇO VC FOI E SEMPRE SERA ETERNO EM NOSSAS VIDAS E EM NOSSOS CORAÇOES AMO VC DEIXO AQUI MEU ULTIMO ADEUS DE SUA FILINHA POSTIÇA COMO VC SEMPRE DIZIA COM MUITO CARINHO STELLA MARIS

Alessandro disse...

Também lamento a morte de Muibo César Cury, sempre o ouvia no Jornal em Tres Tempos e com certa frequencia no Arquivo Musical (que passou a apresentar apos a morte de antonio de Carvalho).
Ouvi o especial da Bandeirantes na noite de 26 de dezembro, feito por Milton Parron, e o que me chamou a atenção foi um trecho de uma entrevista do Muibo em que ele relembrava o programa Patrulha Bandeirantes. Pois bem, procurei na internet algum audio desse programa e só encontrei um trecho. Alguma dica onde posso encontrar mais audios desse programa, hoje histórico (depois dele, o tom policialesco seria prache no rádio e tv)?