quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

VÂMO APROVEITÁ QUE TÁ BARATO, FREGUESIA!

SPAM no Orkut (ou qualquer outro meio) é um saco. E uma amiga me repassou um que me deixou triste. Aliás, não sei bem se é triste, ainda não achei a palavra certa. Pode ser desapontado também.

A gente, aqui no blog, luta para valorizar o rádio e seus profissionais. Critica para melhorar. E eu, pessoalmente, considero um crime o que o autor desse SPAM faz. Pena que os Sindicatos dos Radialistas (de todos os estados, sem exceção) sejam tão omissos em relação aos seus profissionais, tratados como meros portadores de DRT (e contribuintes, lógico!).

Deixando a “enrolação” para lá, vou reproduzir logo o que recebi. É uma propaganda de um estúdio do Paraná (se eu não estiver enganado quando ao DDD 43):

Confira alguns de nossos preços: Vinhetas para rádios, Dj's e eventos, a partir de R$4,00 produzido; Spots (de até 40 segundos), a partir de R$12,00 produzido.

Resumindo: VIROU VAREJÃO!

OLHA A VINHEEEETA, BARATINHA, BARATINHA!!!

LOCUTORA BONITA GRAVA, MAS DEPOIS NÃO RECEBE!!!

OLHA AÍ, OLHA AÍ, FREGUESIA.

Esse lugar se autodenomina um estúdio, mas não creio que seja. É um mercadão, varejão ou qualquer outro nome, menos um estúdio.

Depois nós, radialistas, reclamamos da nossa classe, tão desunida. A partir do momento em que um sujeito, que se diz profissional, entrega uma vinheta produzida, pronta, por R$ 4, nota-se que é hora de rasgarmos o nosso diploma e riscamos o nosso DRT da carteira de trabalho. Afinal, para que eles servem?

Depois nós, radialistas, reclamamos do outro extremo. Não é raro o Tutinha, da Jovem Pan, mandar fazer vinhetas em estúdios de Los Angeles, com aquelas locuções Hollywoodianas. E quer saber de uma coisa? Ele é que está certo! Ele está louco de entregar a identidade da sua rádio para um bando de pé rapados que faz vinhetas por R$ 4? Ele quer produto de qualidade, nem que tenha de pagar em dólar. E pode ter certeza de que ele não paga US$ 4 por vinheta, mas nem pechinchando!

E o que dizer de um spot por R$ 12! Deve ficar parecido com o carro de pamonha, não?

Certa vez, entrevistando o locutor e humorista Beto Hora, ele deu uma dica: “Quando alguém quer anunciar em rádio, a última coisa com que a agência vai se preocupar é o locutor. Por isso mesmo é que a gente pede muito pra gravar. Porque mesmo dando desconto, a remuneração continua boa”. Agora, faça as contas: Se o spot PRONTO sai pela bagatela de R$ 12, quanto sobra para o locutor?? FERROU! Se der fome, o locutor passa na padaria da esquina e torra todo o cachê. Isso se não ficar devendo uns centavos...

Eu, na qualidade de radialista, locutor e sócio de uma produtora, NUNCA vou sequer cogitar a possibilidade de fazer um trabalho nessas condições. Não vou dizer que nunca trabalhei de graça. Lógico que já. Um favor aqui, uma mão ali, começo de carreira... sabe como é. Mas acho que isso já é demais. Institucionalizar esses valores é jogar no fundo do poço todo o nosso talento, nossas horas gastas diante de um computador, nossa garganta... tudo.

E só um detalhe: O autor desse SPAM é tão GENIAL (ia escrever “burro”, mas seria uma injustiça com o jumento – o animal) que colocou o endereço do seu estúdio-varejão com o final “.com.br” e não é. É só “.com”. Ou seja, quem quiser contratar esse espetacular profissional, ainda vai ter de ficar procurando o site.

Será que sou só eu que tenho a capacidade de ainda me indignar com essas coisas? Mais alguém?

2 comentários:

Guedes disse...

ahahaha ae fica dificil ne...
Não sei nem o que comentar...o melhor seria lamentar...
como existem pessoas que acham que ser locutor basta um grave na voz e sai se intitulando locutor e gravando essas coisas...
Um amigo meu me contou que um estudio no Rio de Janeiro fez um pacote de 100 spots produzidos por apenas (olha o spot baratinho ae qm vai ...???? eheh) R$10,00
Um trabalho de 100 spots por este preço não ligo nem a lâmpada do estúdio.

Vinhetaria & Cia disse...

Por um acaso será q é o mesmo q me abordou também no Orkut? um tal de "Mega alguma coisa"? rs rs
Só me confirmem por gentileza.