quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Por que a 89 tem de voltar a ser a "Rádio Rock"





O site Comunique-se informa hoje que os proprietários da rádio 89 FM, emissora que até 2006 era conhecida como a "Rádio Rock", e que hoje veicula uma desgastada programação no formato "TOP 40" , estariam revendo sua decisão de arrendar a emissora para alguma denominação religiosa - mais especificamente uma certa "Rede do Bem" - para colocar de volta no ar o antigo formato baseado em "rock and roll".  Segundo o portal, a nova fase se iniciaria hoje, 1 de novembro - o que ainda não aconteceu, uma vez que a atual programação ainda permanece no ar na hora em que este post foi escrito. Porém, estaria marcado para a tarde de ontem (30), uma reunião da cúpula da 89 FM que decidiria qual caminho tomar.

O portal ainda afirma que "de setembro para cá, a rádio já demitiu cerca de 90% da equipe - restando apenas alguns locutores, um produtor e um sonoplasta. Quem sintoniza a emissora percebe que boa parte da programação roda no modo automático e que os jornalísticos já não existem mais. Estava quase certo que ela seria vendida ou arrendada, mas nas últimas semanas os donos repensaram a decisão após ver que os ouvintes pedem o retorno da 'rádio rock'". O texto ainda diz que "independentemente do resultado, uma estratégia interna já foi adotada: tentar levar a audiência da rádio para a internet. Se o encerramento for confirmado, a web será o principal foco de investimento para 2013. A reportagem (do Comunique-se) tentou contato com a 89 FM, mas os executivos não atenderam". 

Concluindo a reportagem, o site diz que a emissora possui atualmente 100 mil ouvintes por minuto em média  por dia, segundo o Ibope, e que "estaria dentro do principal grupo das principais do país", sem explicar o isto exatamente significa.

Não tenho conhecimento do que o "Comunique-se" escrevera anteriormente sobre a 89 FM. O fato é que no último final de semana, durante boa parte do sábado e do domingo, a emissora colocou no ar uma prévia do que seria a sua programação na internet. Todos os ex-ouvintes e admiradores da finada rádio rock souberam da novidade pelas redes sociais. Inconscientemente começou a surgir um espírito de "volta da 89, a Rádio do Rock" e houve quem pensasse - incluindo este que vos escreve - em fazer uma campanha exigindo a volta mesmo da antiga estação roqueira. Afinal, São Paulo carece de uma emissora neste segmento. E a antiga 89 era informalmente um patrimônio não material de todos os paulistas.

 É verdade que existe no dial a Kiss FM. Contudo, esta é uma emissora de "Classic Rock", que não tem o mesmo espírito da antiga 89. Sua filosofia, sua orientação "editorial" é bem diferente da rádio que muitos querem "ressuscitar". O espírito da Kiss está muito mais próxima de uma Antena 1, de uma Alpha, de uma Nova Brasil, de uma Eldorado, de uma USP FM, de uma Iguatemi Prime. Falo daquela coisa formal, sóbria e adulta, que a ex-Rádio Rock não possuía de jeito algum, em seus melhores dias.

Há quem diga - e eu já ouvi isto de muita gente que conhece rádio profundamente - que uma emissora especializada em rock não atrai anunciantes e não é viável financeiramente, portanto, não dá certo. Foi o caso de várias emissoras no passado, como a Fluminense FM, FM 97, e algumas outras pelo país afora.

Não sou exatamente um especialista em publicidade, mas, desculpem, isso é besteira. Se a 89 e as demais não deram certo comercialmente - o que não é verdade, no caso desta -  é porque a conjuntura era outra e as necessidades do mercado radiofônico (leia-se ouvintes) era diferente em outras épocas. Atualmente, apesar dos percalços,  vivemos um momento maior de interação com o público - graças a internet - que obriga as emissoras tradicionais a mudar sua forma de comunicar.

O público de qualquer segmento é muito maior do que de 10, 15, 20 anos atrás. Ele é maior, mais bem informado e mais exigente, o que para o comunicador - aquele que realmente gosta de Rádio - não é um fardo, mas sim, um grande desafio, que o fará fazer "produtos" melhores, agregando mais valor ao seu trabalho, atraindo bons anunciantes, valorizando a marca.

Se optar pelo arrendamento para alguma igreja, ou seja lá quem for, só teremos a lamentar. Será mais uma emissora fazendo proselitismo religioso, sabe-se lá se com algum objetivo político escuso por trás. Aliás, vai totalmente contra o espírito das leis que regulamentam as telecomunicações "arrendar" uma concessão, ainda mais pra esses fins. Pode dar um "lucrinho" rapidamente e a curto prazo. Entretanto, arruinará de vez a marca "89 FM" e poderá até manchar a credibilidade de seus proprietários diante do mercado, dos anunciantes, do público, etc

Tomara que a família Camargo, detentora da concessão, decida pela volta da boa e velha, porém renovada e atualizada, "89 FM, a Rádio Rock".

PS.: Não fique aí parado! Lute você também. Talvez não adiante nada, mas a gente só vai saber se tentar. Entre no site da 89 FM ou na página da rádio no Facebook e exija a volta da rádio rock aos 89,1 MHz!!!!

5 comentários:

O Asno disse...

Assino em baixo! #volta89rock

Anônimo disse...

Volte 89 fm, quero a Luka de volta !!!!!

paulinho punk disse...

Valeu a postagem!!
Paulinho Punk

Fábio Elias Fabio disse...

Volta89 a radio rock de onde nunca deveria te saido

ordeppedro 89 ! disse...

Trazer A Rádio Rock de volta não é uma boa opção ., Tirar Uma Rádio de Sucesso pra colocar uma de segmento duvidoso não vale a pena