sábado, 11 de abril de 2009

Marcelo Tas, um ator que interpreta o papel de jornalista

O apresentador do CQC está no olho do furação. O fato dele usar seu Twitter pessoal para a ação promocional de uma grande empresa de telecomunicações gerou um grande debate na web. E com opiniões nada favoráveis. Se ficasse nisso, até que tudo bem. Ocorre que na semana passada, o serviço de internet desta mesma empresa deixou muitos de seus usuários sem conexão. E a correlação foi inevitável. No próprio Twitter não faltaram mensagens com cobranças a Tas.

A própria postura de Marcelo Tas na condução dessa história não tem ajudado muito. A respeito dos críticos do seu contrato comercial, ele os chamou, grosseiramente, de ejaculadores precoces. A grosseria continuou quando Daniel Castro, da Folha de S. Paulo, em entrevista recente, perguntou se ele tinha conhecimento de causa: "Não. Sempre treinei, desde quando me relacionava com animais na fazenda, a retardar o meu prazer para deleitar minhas parceiras, ha, ha, ha".

Nesta semana, Tas voltou a ser procurado pela imprensa para falar dos problemas de conexão enfrentados pelo seu patrocinador. Em entrevista à Folha OnLine ele não informou qual o provedor que utiliza. Disse que não estava sendo alvo de críticas e desligou o telefone quando perguntado se as mesmas poderiam fazê-lo romper o contrato. Uma postura lamentável para quem ficou conhecido, na pele de Ernesto Varela, por ser um corajoso perguntador.



*

Todo esse turbilhão vivido por Marcelo Tas ajuda a colocar as coisas nos seus devidos lugares. A cobrança que feita a ele parte do pressuposto de que jornalista não pode fazer comerciais. (lembrem-se do eterno duelo entre Milton Neves e Juca Kfouri). Ocorre que Tas não é jornalista. Ele é um ator que interpreta os mais váriados tipos, incluindo aí o de jornalista. Se Tas assumisse mais esse lado de ator (ofício no qual se sai muito melhor), a polêmica do patrocínio não tomaria a atual dimensão.

*

UPDATE (15.04 - 18h36) Marcelo Tas publicou em seu blog uma explicação relacionada à reportagem publicada pela Folha OnLine. O link é:

http://marcelotas.blog.uol.com.br/arch2009-04-01_2009-04-15.html#2009_04-15_14_13_55-5886357-0

7 comentários:

Marcos Lauro disse...

Eu não sou nem um pouco contra o Tas fazer merchan no seu Twitter. Afinal, aquele espaço pertence a ele e cada um faz o que bem quiser na sua própria casa, certo? O problema é justamente esse apontado pelo Rodney: Tas não é jornalista. É um profissional multimídia, muito talentoso e competente, mas não é jornalista. Portanto, não deveria assumir um discurso de como se fosse um.

Alexandre disse...

As perguntas que ele fazia, que mexiam mesmo na "ferida" dos entrevistados, hoje ele está sentindo na pele o que as "vítimas" dele sentiam.

eduardo coelho disse...

o tas acabaria com essa polêmica toda se fizesse um proteste já contra a tal grande empresa do mundo midiatico que não fornece uma conexão de internet descente aos seus consumidores

isso iria ser ótimo...mostraria a "independência jornalistica" do tas

mas duvido muito que isso aconteça

Anônimo disse...

Olha, quem quiser escrever para o CQC pedindo para que o Tas proteste contra a referida companhia telefônica o email é protesteja@band.com.br

Seria uma grande prova de desprendimento e independência jornalística se ele fizesse este protesto.

Marco Ribeiro

Toninho Moura disse...

Boa! Jornalista "intocável" não pode existir. Se existe, tem rabo preso.

Rádio Base disse...

A gentq qer julgar se comercializou ou não o seu espaço na internet? A gente nem chegou a um consenso pra saber se jabá é ou não imoral?

Marco Ribeiro

Philippe Fernandes disse...

http://marcelotas.blog.uol.com.br/arch2009-04-01_2009-04-15.html#2009_04-15_14_13_55-5886357-0