Secretaria da Cultura lança novos instrumentos de transparência

Duas plataformas digitais e um laboratório de pesquisa têm objetivo de aprimorar a divulgação de dados e indicadores culturais do Estado. (Foto: Divulgação)

A Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo lança nesta terça-feira (22/3) três novos instrumentos para ampliar a transparência e a visibilidade dos dados culturais do território paulista.

A plataforma colaborativa SP Estado da Cultura reunirá dados geolocalizados sobre espaços e eventos realizados em todo o Estado por meio do Mapas Culturais em um software livre de mapeamento e gestão da cultura do Instituto TIM; o Portal Transparência Cultura, que concentrará todos os números e documentos referentes aos programas mantidos pela Secretaria; e o LabCult, um laboratório que visa colocar em prática novas propostas de políticas públicas, elaboradas a partir de dados objetivos.

“A questão dos indicadores e da análise de resultados na cultura é um desafio em todo o mundo. Com esses novos instrumentos, estamos melhorando a forma de apresentação dos dados da Secretaria, tanto gerenciais quanto de programação, além de buscar o aprimoramento das políticas públicas culturais. Além de um compromisso com a transparência, esses instrumentos são também uma forma de compartilhar conhecimento com o público”, afirma o secretário Marcelo Mattos Araujo.

A plataforma SP Estado da Cultura (www.estadodacultura.sp.gov.br) representa a adesão da Secretaria ao Mapas Culturais, em parceria com o Instituto Tim. O software aberto reúne um banco de dados dinâmico e colaborativo que apresenta informações sobre espaços, eventos, agentes e projetos culturais. Todos os dados são georreferenciados, o que proporciona a visualização das ocorrências em um mapa, favorecendo a criação de redes de agentes culturais locais. O SP Estado da Cultura passa, então, a ser a principal ferramenta para divulgar a programação realizada pela Secretaria inclusive no que diz respeito aos projetos apoiados pelos programas de incentivo à cultura, como o ProAC. Aberta e gratuita, a ferramenta pode ser utilizada também por agentes independentes e por municípios paulistas. 

O Portal Transparência Cultura (www.transparenciacultura.sp.gov.br) apresenta de forma mais simples e amigável os dados referentes à atuação da Secretaria da Cultura. Estão disponíveis na íntegra todos os Contratos de Gestão assinados com organizações sociais de cultura, assim como anexos técnicos e tabelas de resultados, ano a ano. O modelo de gestão por OS foi adotado de forma pioneira por São Paulo há 10 anos, e hoje serve de modelo para todo o País. O portal também concentra os números referentes aos programas de fomento, além de editais comerciais e outras informações.

Já o Laboratório de Políticas Públicas de Cultura do Estado – Lab Cult é uma parceria entre a Secretaria e o Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas da Universidade de São Paulo (NUPPs). Seu propósito é realizar análises e pesquisas interdisciplinares entre executores e estudiosos das políticas culturais, de modo a qualificar a prática e a ampliar a relação teoria e prática, visando debater, propor e experimentar melhores alternativas para a gestão, o fomento e a atuação nas diversas áreas da Cultura a partir da iniciativa pública estatal. Inicialmente, o LabCult atuará em quatro linhas principais – Cultura: sociedade e estado;  Vocabulário controlado da cultura; Indicadores culturais; e Modelos e instrumentos de gestão cultural. Cada linha terá uma agenda de trabalho específica, e os resultados serão divulgados periodicamente no site da Secretaria.

Sobre o Instituto TIM - Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas; Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram mais de 300 mil pessoas em todo o país.

Comentários